Projeto ELA Brasil da FMUSP

No dia 21 de Junho de 2014, no dia em que a comunidade internacional lembra o Dia Internacional da conscientização da ELA, o Prof. Gerson Chadi do Departamento de Neurologia da FMUSP apresenta à comunidade internacional o “Projeto ELA Brasil. A Busca por Soluções”. O Projeto da FMUSP pretende ao final dos 10 anos colocar o Brasil no cenário internacional da busca pela cura da ELA. Foi criado o logo do Projeto ELA Brasil em 21 de julho de 2014. O logo reflete o objetivo do grupo de estar inserido na pesquisa internacional da ELA e contribuir efetivamente com resultados.

Os objetivos do Projeto ELA Brasil é buscar conhecimentos fundamentais para compreender os mecanismos celulares envolvidos no desenvolvimento e na progressão da doença, investigar a influência da genética e outros fatores de risco em potencial, identificar os biomarcadores, e desenvolver novos e mais eficazes tratamentos para a doença.
Os objetivos estão em curso e os resultados dos trabalhos estão sendo publicados nas melhores revistas internacionais.

PROJETO ELA BRASIL. A BUSCA POR SOLUÇÕES. Esclerose Lateral Amiotrófica.
Do Departamento de Neurologia. Hospital de Clínicas.
Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. FMUSP
Coordenador. Prof. Dr. Gerson Chadi. Professor Titular

Porque a ELA?
A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa crônica, que acomete adultos, de evolução rápida, que leva à morte do neurônio motor na medula espinal e encéfalo e, consequentemente, atrofia muscular progressiva, perda força dos músculos esqueléticos e paralisia muscular. No nosso serviço a maioria dos pacientes têm 40 a 60 anos de idade. Deste modo, a ELA é uma doença altamente debilitante e acomete os indivíduos em suas idades mais produtivas.

Diferente da maioria das demais doenças neurodegenerativas, a ELA apresenta evolução rápida (2,5 e 5 anos) e, sem nenhum tratamento eficaz, os pacientes morrem em geral por falência respiratória ou outras complicações.
A doença não é tão rara. Sendo a terceira neurodegenerativa mais prevalente, atrás do Mal de Alzheimer e da Doença de Parkinson, acomete mais de 15 mil brasileiros e vem sendo cada vez mais diagnosticada.

Projeto ELA no HC-FMUSP

Nunca houve pesquisa sistemática e organizada em ELA no Brasil. Pesquisa sistemática em ELA é recente nas melhores universidades do mundo.

Em 2010, a Disciplina de Neurologia Translacional do Departamento de Neurologia da FMUSP criou um grande projeto chamado “Neurologia Translacional em ELA”. Houve a deflagração de vários subprojetos de pesquisa pelo grupo que conta com o trabalho específico de Neurologistas, Neurocirurgiões, Psicólogos, Fonoaudiólogo, Fisioterapeuta e Terapeuta Ocupacional, Biólogos, Biomédicos, Biologistas moleculares.

A primeira providência foi a organização do atendimento dos pacientes ELA do HC-FMUSP, com vistas à pesquisa, paralelamente à assistência já em curso.

Em seguida, foram deflagrados projetos clínicos, clínico-experimentais e os estritamente experimentais (envolvendo animais de laboratório geneticamente modificados modelos da doença). Os objetivos do projeto em curso do HC-FMUSP são: 1- entender as causas da morte do neurônio motor; 2- apresentar terapêutica comprovadamente eficaz, seja ela por drogas, células ou ambas.

Todos os objetivos estão em curso e os trabalhos sendo submetidos às melhores revistas internacionais

PROJETO ELA BRASIL. A BUSCA POR SOLUÇÕES

Neste momento, após o histórico dia 16 de junho de 2014 em que o Ministério da Saúde comprometeu-se com as verbas para os projetos em Terapia Experimental com Células-Tronco aos pacientes ELA, reunião realizada dentro das dependências da FMUSP, faz-se necessário o planejamento das etapas seguintes. Apesar da expectativa favorável, os resultados só o futuro dirá. Então, os estudos devem ser ampliados já.

Deste modo, o Departamento de Neurologia da FMUSP cria o projeto “ELA Brasil. A busca por Soluções”. O objetivo do projeto é mobilizar o Brasil, seus governantes, pesquisadores, médicos, pacientes e população em geral para uma jornada de 10 anos que traga resultados efetivos para a solução da doença.

OBJETIVO: Inicialmente será consolidado aquilo que vem sendo feito, e em seguida mobilizar e organizar outros centros no Brasil com a criação da REDE NACIONAL DE PESQUISA ELA, buscar tecnologias no exterior, inserir a REDE nos mais conceituados estudos em ELA fora do Brasil, deflagrar estudos clínico-terapêuticos em larga escala e patentear as suas descobertas.

RESULTADOS: A excelência dos resultados deve coincidir com o Brasil em destaque mundial nos avanços em ELA, propondo terapêuticas eficazes para os subtipos da doença, tudo avaliado em um grande evento científico mundial em ELA sediado pelo Brasil em 10 anos.

Parece muito tempo, considerando a evolução rápida da ELA, mas certamente não o é, levando-se em conta os enormes desafios que se têm pela frente.
Assim, o projeto será dividido em 5 FASES, para o melhor acompanhamento dos resultados.

FASES do Projeto ELA Brasil. A busca por Soluções
1a. etapa: Consolidação da Pesquisa ELA do HC-FMUSP (3 anos) – 1o, 2o e 3o anos
2a. etapa: Formação da Rede Nacional de Pesquisa ELA (3 anos) – 3o, 4o e 5o anos
3a. etapa: Internacionalização da Pesquisa ELA do Brasil (3 anos) – 4o, 5o, 6o. e 7o anos
4a. etapa: Brasil Consolidado como Referência Internacional da Pesquisa ELA (3 anos) – 7o , 8o . e 9o anos
5a. etapa: ELA Brasil! Maior número de patentes aprovadas entre as doenças neurológicas. Estudos clínicos ELA consolidados e avaliados. Brasil sede do grande evento científico ELA – 10o ano

Cada uma das etapas deverá ser fundamentada por projetos que serão avaliados pelo Comitê Científico-Gestor como segue:
1a. etapa: acompanhados
2a. etapa: acompanhados + escolhidos
3a. e 4a. etapas: escolhidos
5a. etapa: relatados

Execução:
1a. etapa: Como o HC-FMUSP deu o pontapé inicial e os resultados sendo publicados, nesta etapa. consolidará está ação da FMUSP e as suas expertises serão avaliadas.
2a. etapa: O HC-FMUSP procurará parceiros e estimulará as iniciativas de pesquisa em ELA no Brasil e a formação da grande rede integrada de pesquisa em ELA no país. Transferirá todos os conhecimentos e tecnologia adquiridos.
3a. etapa: Pesquisadores da Rede Nacional de Pesquisa ELA buscam apoio internacional e importam tecnologias estratégicas.
4a. etapa: Estímulo aos projetos de cooperação bilateral com centros de excelência no exterior.
5a. etapa: Avaliação final. Patentes. Estudos clínicos. Avanços científicos.

FINANCIAMENTOS E APLICAÇÃO:
Todo o dinheiro arrecadado (público, privado, doação, etc.) deverá ser aplicado em:
Pesquisa Clínica: 50% (Terapias celulares e farmacológicas; Diagnóstico; Qualidade de vida; Reabilitação)
Pesquisa Translacional: 30% (Pesquisa clínico-laboratorial)
Pesquisa Pré-clínica: 20%

Este o compromisso da FMUSP com a ELA neste seu dia mundial (21 de Junho) iniciado em 2014 com finalização em 2024.